crianca-esperanca-logo-plagio-children-museum-com-limao-05

Compartilhe:   

Criança Esperança 30 anos: Não foi plágio, foi preguiça (de novo!)

por Victor Vasques

Na última semana, a Globo apresentou o logo comemorativo de 30 anos do Criança Esperança. Desde então, uma enxurrada de críticas surgiu nas redes sociais, acusando a empresa de plágio e condenando a nova marca. Infelizmente as redes sociais estão cheias de especialistas em assuntos aleatórios. Então vamos primeiro entender o caso, os envolvidos e depois comentar.

Entendedor-Anonimo-Design

Tirinha “Entendedor Anônimo # 12″, do Will Tirando

Children’s Museum de onde?!

O Children’s Museum of New Hampshire é um museu e espaço comunitário na cidade de Dover, em Nova Hampshire, nos EUA. Segundo o site do museu, o objetivo da organização é incentivar a criatividade das crianças e construir relacionamentos fortes e alegres. Assim como tantas outras, a organização sobrevive com doações e voluntários. Nenhuma novidade.

Em 2014, o escritório Haigh + Martino (também de Nova Hampshire, mas de outra cidade), apresentou o redesign da marca que, segundo eles, tem mais de 30 anos de existência. Além do logo, a agência foi responsável por criar as diversas aplicações da identidade visual. Você confere alguns exemplos abaixo.

crianca-esperanca-logo-plagio-children-museum-com-limao-01

crianca-esperanca-logo-plagio-children-museum-com-limao-02

Criança Esperança: Ô da poltrona

Se de um lado sabemos pouco sobre o Children’s Museum of New Hampshire, do outro sabemos muito sobre o Criança Esperança. O projeto, apoiado pela Rede Globo, é reconhecido pela UNESCO e todos os anos conta com um evento gigantesco que, segundo a emissora, arrecada milhões e tudo é revertido 33 projetos (previsto para 2016). Em 2015, a iniciativa completa 30 anos e ganhou um logo novo.

crianca-esperanca-logo-plagio-children-museum-com-limao-04

Children’s x Crianças: A discussão era para ser social

Ok, agora que já apresentamos ambos os envolvidos, vamos ao tema central da discussão. Do ponto de vista de design, o logo das duas iniciativas não tem nada de genial. Pelo contrário, a família tipográfica usada nos logos pode ser encontrada em qualquer banco de imagens ou de fontes. Veja os exemplos do Shutterstock.

Outro indício da origem e que pode indicar que ambas vieram do mesmo banco são as semelhanças. Abaixo ressaltei apenas dois, mas qualquer designer vai perceber isso logo de cara. Até as cores coincidem.

crianca-esperanca-logo-plagio-children-museum-com-limao

Plagio? Não… só falta de criatividade e preguiça

Segundo o site Notícias da TV, a Globo afirma que “a logomarca (sic) do Criança Esperança é uma criação original, feita a partir de uma evolução da tipologia da marca anterior e o uso da paleta de cores da marca Globo. A interseção das cores na tipografia faz referência ao conceito de ativação da campanha, em que diferentes cores e formas, quando unidas, ativam a solidariedade e a esperança”. Tudo besteira! Justificativa para um projeto pobre de criatividade e conceito.

Infelizmente, não é a primeira vez que vejo um projeto de proporções gigantescas tendo esse tipo de empenho, por parte dos responsáveis pela criação (não é culpa só do designer, mas de todos os envolvidos). No projeto #HumanizaRedes, eu disse a mesma coisa, o problema não é plágio, mas a preguiça. Não só preguiça, mas a cultura do “é para ontem”. Quantos designers não recebem o seguinte pedido: “Quero uma identidade visual, mas o cliente está pagando pouco e tem que ser rapidinho!”

Parece brincadeira, mas quem trabalha no mercado sabe que isso é comum. Não descarto a hipótese da marca Criança Esperança ter sido uma vítima deste “tem que ser rapidinho”. Vítima de uma cultura que tem transformado designers em “artistas de banco de imagem”. Onde a maior pesquisa que se faz é a de termos no banco de imagens, e não dos conceitos ou comunicações por trás da empresa, produto ou serviço.

Agora uma coisa me chamou atenção: Ambas as marcas citam “30 anos de existência”, são para crianças, possuem a mesma paleta de cor e disposição. Será que o designer responsável pela marca do Criança Esperança não teve tempo de colocar no google “children+30+color”?


Victor Vasques é designer, editor chefe do Com limão e sócio proprietário da Citrus Consultoria. Como gestor de marcas e criativo, já atuou com grandes marcas, como Discovery, UOL, iG, Globo.com e VEJA.

Eu irei lhe fazer uma proposta que você não poderá recusar - Don Vito


4

4 Responses to Criança Esperança 30 anos: Não foi plágio, foi preguiça (de novo!)

  1. Will Leite says:

    Vi essa matéria passeando pela minha timeline. Cliquei porque me interessei, e tomei um susto quando vi minha tira ilustrando ela. hahaha Por um momento até achei que tinha aberto a matéria errada. rsrs
    Agora recuperado do susto, vou ler a matéria… com licença! rsrs

    :D

  2. Pingback: Coincidência? Vamos falar sobre plágio? • LOGOBR

Deixe uma resposta para Renato Nogueira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Voltar para o topo ↑

  • Newsletter

  • Últimos tweets

  • Facebook