Compartilhe:   

Bound: Tensão e aracnídeos em um game em preto e branco

por Com limão

Ainda lembro a primeira vez que joguei Silent Hill para Playstation. Já havia passado por Resident Evil e tantos outros jogos de terror, o que aquele poderia me trazer de diferente? Monstros mais difíceis? Armas diferentes?

Meia hora depois minhas mãos suavam, qualquer barulho da casa assustava e uma queda de luz foi a responsável por eu não jogar aquele saudoso jogo por umas boas semanas.

Mas aí vieram os novos consoles. Gráficos hiper-realistas, chuva de tiros nos FPS online e terrores que não nos assustávamos mais (ou pelo menos mantivesse aquela tensão que enrijece os músculos).

Eis que surge Limbo, para Xbox 360. Um game com cara de infantil, mas com uma direção de arte tão perfeita, que quase não percebemos que – em uma era de trilha sonora feitas por grandes compositores – ele não possui música. Apenas o som do ambiente. Uma floresta silenciosa e mortal.

Primeiros dois segundos você já sai saltitando como um Super Mario em preto e branco, até ser empalado na primeira armadilha e ficar de boca aberta com uma cara de “que po#&@ foi essa!!”.

Quem diria que aquele game super minimalista deixaria você tenso por alguns bons minutos, procurando armadilhas em lugares que não existem.

Aliás, Limbo é tão minimalista que começamos o jogo e terminamos sem saber quais os motivos e onde estamos.

Agora misture tudo isso, bata no liquidificador, acrescente um pouco de Franz Kafka e seu clássico “A Metamorfose” (na falta de Kafka, use uma pitada de “O Médico e o Monstro”, de Roberto Louis Stevenson) e teremos o mais novo Bound.

Criado por estudantes da Stuttgart Media University, o game para PC é bem semelhante ao (agora já clássico) Limbo. Qual a diferença que não torna Bound uma cópia descarada?

Tudo indica que Bound terá um enredo mais complex que Limbo, já que no primeiro teaser do game vemos o personagem principal transformado em aranha e lamentando ter que voltar para casa da namorada que tem pavor de aracnídeos. Apesar de parecer não ter trilha sonora como Limbo, Bound dá a entender que teremos – no mínimo – uma narração, diga-se de passagem, muito bem produzida.


Com limão tornou-se muito mais que um site. Após anos no ar, ele virou uma mistura de ideias com um toque especial, escrito por profissionais do mercado mundial.

Eles podem tirar nossas vidas, mas nunca poderão tirar nossa liberdade – William Wallace, em Coração Valente


0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Voltar para o topo ↑

  • Newsletter

  • Últimos tweets

  • Facebook