O preço de um lar: 300 dólares, nem mais nem menos • Com Limão
Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

EcoDesign

O preço de um lar: 300 dólares, nem mais nem menos

Proposta por economista e marketeiro, concepção de casa a 300 US$ tenta abrir os olhos de empresas e governos

Em 2010, um desafio foi deixado às empresas, aos governos e às ONG’s: substituir favelas por moradias bem estruturadas e higienizadas que não custem mais que 300 dólares. Isso mesmo, apenas 300 dólares!

O economista Vijay Govindarajan, da Universidade de Dartmouth, nos Estados Unidos, em parceria com Christian Sarkar, profissional de marketing de longa data, elaborou a proposta mirabolante em um artigo publicado pela Harvard Business Review.

De tão surpreendente, a ideia fisgou pessoas de todo o mundo pelo colarinho. Menos, ao que parece, a mídia e as autoridades brasileiras.

A repercussão do artigo foi instantânea. Logo ganhou as páginas da revista britânica The Economist, em abril deste ano. Desde o sucesso inicial, os autores tentam extrair do projeto uma gota de realidade, de factibilidade. Isso por meio do blog 300house.com – lugar em que são discutidas as maneiras mais eficientes para que o plano seja posto em prática – e dos esforços de estudantes, voluntários e intelectuais, que atuam em diversas áreas, do design aos modelos de negócios.

Mesmo que qualquer país, de acordo com os criadores, possa ser alvo do projeto, há lugares, como o Brasil, em que a carência por moradias adequadas é extrema. Indonésia, Haiti e Índia podem, portanto, compor o primeiro time de beneficiados.

Não à toa, é daí que surge a minha inquietação. A ideia, por mais que pudesse ser freada pela realidade brasileira – burocracia excessiva, ineficiência da administração pública, escassez de terrenos e etc -, merecia o escrutínio da imprensa nacional, que nem sequer tocou no assunto. O desafio proposto passou em branco pelo Brasil. Se não chegou aos jornais, revistas e blogs, imaginem se a informação despertou o interesse de algum canastrão do Planalto.

Teses como essa, apesar de parecerem ingênuas, se compatibilizam com o perfil de consumidores ao qual aderimos. Hoje, nós queremos bons produtos a preços baixos. As empresas também ganhariam com casas a 300 dólares. Esta seria uma oportunidade para fornecerem bens e serviços a milhões de pessoas que ainda não sabem o que é viver bem. Colocar em prática um projeto ambicioso como 300house significaria utilizar o capitalismo contra ele mesmo. Ou seja, ganhar dinheiro com a diminuição da desigualdade social.

Como uma casa pode chegar a 300 dólares? Primeiramente, uma gigantesca escala de produção. Por isso a presença da iniciativa publica-privada no projeto seria imprescindível. Apenas eles conseguiriam reduzir os custos de cada componente utilizado na construção e financiar o valor das casas.

As casas seriam construídas de modo a atender as necessidades básicas dos moradores. No entanto, todos os componentes seriam de última geração. Painéis solares seriam um dos atrativos. Eles abasteceriam a casa com energia limpa. Água filtrada, esgoto e tela contra mosquitos são outros dos features essenciais.

Já em relação ao design, nada ainda foi feito. Isso porque os criadores, por meio de um concurso encerrado em junho, deixaram a responsabilidade para designers de todo o mundo. Os vencedores, além de receberem prêmio de 25.000 dólares, terão a chance de ver erguidas as paredes, portas e janelas, que antes representavam um emaranhado de traços em seus esboços originais.

Leia também

Apple

A Apple anunciou nesta terça-feira (07), a linha de iPads 2024, incluindo os modelos Air e Pro; além de novidades para o Apple Pencil...

Design

A Shutterstock, Inc. anunciou a aquisição da Envato Pty Ltd., um movimento estratégico que integra a líder em ativos e modelos criativos digitais ao...

Design

Há alguns anos abolimos 100% o papel para documentações aqui na Com limão & Co. (empresa mãe do Com limão). Este processo só foi...

Impacto

Inovações de sustentabilidade da Razer incluem o uso de materiais reciclados em periféricos e compromissos para reduzir emissões de CO2.

Copyright © 2020 Com limão. Todos os Direitos Reservados.