Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Review

Batman: Arkham City e os inimigos de Gotham

Sinceramente o mundo dos games não era um ambiente saudável para os super-heróis. É de conhecimento geral, que atualmente na nova geração, os games baseados em personagens dos quadrinhos raramente resultavam em produções diferenciadas, sempre ficando no máximo, no patamar dos jogos razoáveis.

Em 2009, a produtora Rocksteady mudou esse patamar com o fantástico Batman: Arkham Asylum. No game, a mistura de ação, furtividade e investigação unida às texturas, gráficos e modelagem de personagens caprichadíssimas e embalados por um roteiro magistral escrito pelo papa das animações do morcego (o famoso Batman: The Animated Series) Paul Dini, fizeram com o que Batman fosse elevado ao rol dos personagens de games que finalmente pudemos controlar com satisfação.
Logo após o grande sucesso de Arkham Asylum, a Rocksteady prontamente anunciou o próximo título do homem-morcego, Batman: Arkham City e devo dizer que o que era bom no primeiro melhorou. O que melhorou? Simplesmente tudo.

Na história, continuação direta do primeiro título, após os eventos ocorridos no Asilo, o diretor Quincy Sharp se tornou prefeito de Gotham City. Fechou o Asilo, desapropriou e murou toda parte norte de Gotham (que curiosamente foi o palco da morte dos pais do pequeno Bruce Wayne) jogando todo o tipo de criminoso, capanga, super-vilão e, porque não, desafetos lá dentro, criando uma verdadeira terra de ninguém. Criou dessa forma a nova prisão conhecida como Arkham City. Para comandar a brincadeira, deixou tudo a cargo do psiquiatra conhecido como Hugo Strange.

O Coringa está doente, infectado com o composto Titan, conforme acontecimentos do game anterior e Strange, exímio pesquisador da mente humana e egocêntrico cientista sabe que Batman é Bruce Wayne. Espere muitas reviravoltas em um enredo espetacular, novamente escrito por Paul Dini, com um final épico e de cair o queixo.

Os gráficos estão melhores do que nunca, provando que a Rocksteady ama aquilo que faz e trata tanto fãs e não fãs com extremo carinho. Texturas maravilhosas, modelagem de personagens incríveis, level design primoroso e nenhuma queda na taxa de quadros completam o pacote técnico magistralmente. Arkham City é um pedaço vivo, maravilhoso e vibrante de Gotham City, cheio de referências ao universo de Batman e DC. É só explorar e encontrar.

A jogabilidade só melhorou em relação ao já ótimo game anterior. As sequências de furtividade são empolgantes requerendo estratégia e observação, os combates são emocionantes (com os botões de combos simples, mas efetivos e o sistema essencial de contra-ataque) com multidões atacando o homem morcego ao mesmo tempo e os casos de investigação são bem diferenciados, indo desde seguir pistas até elaborar e seguir trajetória de balas.

Os “bat-gadgets” estão mais numerosos e farão qualquer um se sentir o próprio Batman ao hackear consoles, fazer arpéu, planar pela cidade, jogar batrangues, dentre muitos outros. Mesmo com muitos comandos e muitos gadgets, os controles são intuitivos e a câmera ajuda ao invés de atrapalhar. É uma experiência única. Nos sentimos como o Batman guerreiro, predador e detetive.

O mapa é gigantesco e desde o principio, a maioria das áreas já se encontra liberada para exploração. A missão principal empolga bastante, mas o jogo se complementa com as ótimas side-missions que acabam apresentando novos “velhos” personagens e narrativas.

Por falar em personagens, para os fãs e não fãs do Batman, Arkham City é uma verdadeira “orgia vilanesca”. Só para citar temos participações efetivas e importantes do Coringa, Duas-Caras, Pinguim, Charada, Mulher-Gato (jogável em pacote DLC com pequena narrativa própria), Sr. Frio, Bane, Hugo Strange, Victor Zsasz, Ra´s Al Ghul, Chapeleiro Louco dentre outros para não estragar a surpresa.

Os enigmas do Charada estão mais numerosos e difíceis, quase que superando o total de horas da missão principal para sua total resolução existindo ainda a missão extra com o resgate de pessoas sequestradas pelo vilão e os troféus escondidos por todo cenário, com diversas maneiras diferentes para pegá-los. Ao todo o game pode chegar quase a 40 horas.

Vale mencionar também os combates contra os chefes. O famoso e emblemático combate contra o Sr. Frio (que várias outras reviews já citaram) requer que a cada golpe dado, o jogador mude a estratégia de aproximação ou a gadget utilizada, já que o Sr. Frio (utilizando-se da belíssima I.A. do jogo) anula os fatores do ambiente que permitem que o jogador repita tal estratégia. O combate com Ra´s Al Ghul também é épico, grandioso e variado, bem como com o Chapeleiro Louco.

Por fim, o voice-casting continua inspirado. Desde conversas prosaicas de capangas aleatórios nas ruas (fazendo Arkham City ter mais vida ainda) até dos personagens principais (o show ainda é de Kevin Conroy como Batman e especialmente Mark Hamill como Coringa) a dublagem é sem sombra de dúvida parte do show de entretenimento que Batman: Arkham City é.

Resultando uma mistura de roteiro de história em quadrinhos com o filme “Fuga de Nova York”, Batman: Arkham City é sem dúvida, até o momento, o melhor jogo baseado em personagem de quadrinhos já feito. Com certeza um dos grandes lançamentos do ano e talvez um sério candidato ao selo “game of the year”. Espero ansiosamente o que a Rocksteady nos reserva para os próximos, mas uma coisa é certa: superar Batman: Arkham City será uma tarefa difícil até para o indefectível homem-morcego.

Batman Arkham City é um jogo para Xbox 360 e Playstation 3. Já a versão para PCs será lançada em novembro.

Leia também

Design

A Shark Week (Semana do Tubarão, em português) é um evento clássico do Discovery com o objetivo de celebrar essas criaturas fantásticas e incentivar...

Tecnologia

Fortnite pode ter nascido como jogo eletrônico, mas hoje é muito mais do que isso. Por falta de um nome melhor, eu chamaria a...

Design

Quem passa horas na frente do computador (meu caso desde que me formei em design), sabe a importância de uma boa cadeira. Muito mais...

Tecnologia

Com 10 estreias mundiais, mais de 20 títulos lançados no Xbox Game Pass e várias novidades, Xbox Games Showcase apresenta games para 2020-2021

Copyright © 2020 Com limão. Todos os Direitos Reservados.