Redes Sociais

Olá, o que você está procurando?

Design

Do Design ao Design Thinking: a transformação do pensamento do Design

Foi buscando novos caminhos para a inovação que se cunhou o que hoje é conhecido como “Design Thinking “. Saiba mais sobre o tema.

Do Design Ao Design Thinking: A Transformação Do Pensamento Do Design

No cenário de competição global, as empresas passaram a perceber que já não bastava oferecer apenas superioridade tecnológica ou excelência em desempenho como vantagem mercadológica [2]. Com a expansão do Design em novas fronteiras, os limites do que é e o que não é Design estão ficando cada vez mais incertos. Os designers, ao se tornarem defensores dos usuários e clientes nas organizações, têm se esforçado para elevar o papel do Design, avançando no processo de decisão até alcançar a área executiva das empresas [3].

Foi buscando novos caminhos para a inovação que se cunhou o que hoje é conhecido como “Design Thinking” ou “Pensamento de Design”: “uma abordagem focada no ser humano que vê na multidisciplinaridade, colaboração e tangibilização de pensamentos e processos, caminhos que levam a soluções inovadoras para negócios” [2]. O Design Thinking é uma abordagem centrada no usuário para a resolução criativa de problemas e inovação [1, 4, 2]. A evolução do Design para o Design Thinking parte inicialmente da criação de produtos, passa pela relação entre pessoas e produtos até chegar ao relacionamento entre pessoas e pessoas [1]. As metodologias de Design são, sem dúvida, parte do Design Thinking , mas não são a mesma coisa. O Design Thinking é uma força colaborativa que agrupa as disciplinas numa visão mais ampla e holística e não se limita a viver apenas dentro da disciplina de Design”.

O cenário a que se chegou passou de uma solidez moderna e estática para uma contemporaneidade imprevisível, repleta de códigos, de difícil compreensão, complexa, fluida e dinâmica, em que “é necessário estimular e alimentar constantemente o mercado por meio da inovação e diferenciação pelo Design” [6]. Se formos definir uma teoria do Design, esta teria provavelmente constituição transdisciplinar, pois haveria condições de combinar conhecimentos pertencentes a diversas áreas científicas e, com suas práxis, poderia assumir o papel de elo conciliador ou interventor entre diferentes especialistas [7]. “No mundo sólido do passado, existiam contêineres disciplinares e seguros nos quais qualquer um poderia se posicionar. Agora não é mais assim: no mundo fluido contemporâneo os contêineres foram abertos e as suas paredes não são mais protegidas” [8].

O Design tornou-se um tópico popular na literatura de gestão exposto a diversas interpretações: desde um conceito imediatista como estilo até uma concepção mais ampla como qualquer atividade criativa ou inovadora. Associar o Design à inovação em geral foi o primeiro passo para expandir a ideia de Design apenas ligada à forma. Termos como Engenharia de Design servem frequentemente para descrever a inovação com foco em tecnologia. Dessa forma, estratégias de inovação “guiadas” pelo Design têm-se mostrado expressivas e sustentáveis, agregando valor às marcas e ajudando as empresas a crescer. A inovação tecnológica (desempenho) aliada à inovação do significado (linguagem), protagonizada pelo Design, faz uma grande diferença no desenvolvimento de novos produtos e serviços no mercado [9].

Leia também: O Designer do Futuro: Desafios do Design para um futuro da incerteza

O grande desafio na atualidade para o campo do Design é atuar em cenários considerados como fluidos, dinâmicos, mutantes e complexos. A atuação do Designer deixou de ser linear e tecnicista e passou a entrar em universos até certo ponto desconhecidos que demandam uma decodificação em busca de qualidades intangíveis. O Design somente conseguirá ultrapassar essas barreiras se interagir de forma transversal e transdisciplinar, com disciplinas tanto objetivas e exatas quanto humanas, estéticas e sociais. O Designer passará a assumir um papel de gestor dessa complexidade [6]. A complexidade, definida como o número de elementos que compõem um sistema, está intrínseca no Design, uma vez que este envolve conceitos de diversos campos do conhecimento de acordo com o objeto do projeto que está sendo manipulado, fazendo com que seja inevitavelmente uma forma de conhecimento transdisciplinar.

O universo do Design é muito vasto e diversificado, e quando se fala em conhecimento é necessária uma abordagem tanto multi, quanto inter e transdisciplinar [10]. Multi e interdisciplinar no sentido de que necessita da colaboração de outras áreas de conhecimento para formar o conhecimento do Design. Transdisciplinar quando combina conhecimentos de diversas áreas científicas, mas sem a definição de um campo fixo de conhecimentos, seja ele linear-vertical (disciplinar), seja linear-horizontal (interdisciplinar), isto é, o Design acaba ocupando uma condição intrinsecamente “instável” [7].

Claudia Alquezar Facca é designer, educadora e pesquisadora em Design, Doutoranda em Design; Especialista em Comunicação e Artes e Didática do Ensino Superior e Coordenadora dos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Design do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia. | Autora no Linkedin

REFERÊNCIAS

[1] T. Brown. Change by Design. How Design Thinking transforms organizations and inspires innovation. Adobe Digital Edition ed., New York, NY: HarperCollins ebooks, 2009, p. 164.

[2] M. Vianna, Y. Vianna, I. Adler, B. Lucena e B. Russo. Design Thinking : inovação em negócios, 2. ed., Rio de janeiro, RJ: MJV Press, 2012, p. 161.

[3] T. Björklund and T.Keipi. Design +: Organizational renewal and innovation through Design, e-book ed., Helsinki: Aalto University – Aalto Design Factory, 2019, p. 222.

[4] P. Micheli, S. Wilner, S. Bhatti, M.Mura; M. Beverland. “Doing Design Thinking : Conceptual review, synthesis and research agenda,” Journal of Product Innovation Management, pp. 124-148, august 2018.

[5] B. Brautigam. “How Design Thinking will fix Design Thinking ,” 03 april 2017. [Online]. Available: http://medium.muz.li/how-Design-Thinking-will-fix-Design-Thinking -5ce735b4c029. [Acedido em 10 01 2020].

[6] D. d. Moraes. “Design e Complexidade”. Cadernos de Estudos Avançados em Design: Transversalidade, vol. 1, Caderno 2, pp. 7-21, julho 2008.

[7] G. A. Bomfim. “Fundamentos de uma teoria transdisciplinar do Design: morfologia dos objetos de uso e sistemas de comunicação,” em Gustavo Amarante Bomfim: Uma Coletânea. Rio de Janeiro: Rio Books, 2014, pp. 35-50.

[8] P. Bertola e E. Manzini. Design Multiverso: appunti di fenomenologia del Design, Milano: POLIDesign, 2004, pp. 10-17.

[9] R. Verganti. Design Driven Innovation. Mudar as regras da competição: a inovação radical do significado de produtos, 2. ed., São Paulo: Canal Certo, 2012, p. 271.

[10] C. A. Facca, O Designer como Pesquisador: uma abordagem metodológica da pesquisa aplicada ao Design de Produtos. São Paulo: Blucher Acadêmico, 2011, p. 190.

Leia também

Tecnologia

Dell anunciou nesta quarta-feira (08), a nova linha de notebooks XPS 13, modelo com foco em desempenho e design.

Design

2020 é, sem dúvidas, o ano das fintechs. Se por um lado a pandemia virou desafio para muitos mercados, para as bantechs (bancos digitais),...

Design

Anteriormente, no texto “E-Krona, redesign do papel moeda e o futuro do dinheiro”, falamos sobre o futuro do dinheiro serem as moedas digitais. Neste...

Apple

Segundo especialista em Apple, Apple Glasses pode ser lançado em 2022 (ou até mesmo antes). Novo dispositivo teria grande impacto no nosso cotidiano e...

Copyright © 2020 Com limão. Todos os Direitos Reservados.