Compartilhe:   

Kantoor Karavaan: Largue seu escritório e vá trabalhar no parque

por Victor Vasques

Trânsito, violência, muito barulho e poluição. Sou só eu ou você também se sente enlouquecido com o cotidiano em uma metrópole? Mesmo que você more em uma cidade “pequena”, o stress do dia a dia parece que nunca vai sumir.

O holandês Tom van de Beek parece que captou essa angustia diária e decidiu mudar o jogo. Fundador da Kantoor Karavaan, Tom criou um micro escritório móvel, que pode ser levado para qualquer lugar.

A conexão com a natureza será a próxima grande tendência humana – Daniel Crochett

Segundo ele, “a inovação tecnológica e as conexões sem fio no fornecem a combinação ideal para voltar à natureza e vivermos de forma autossuficiente e ainda ser capaz de seguir com o nosso dia a dia empresarial”.

A ideia de criar mini escritórios móveis é tão ridiculamente óbvia, que nos faz pensar porque ainda estamos aqui, presos nestes gigantes blocos de concretos, pagando aluguéis altíssimos e longe da natureza.

Micro escritórios: O futuro das grandes empresas?

Já comentei com alguns de vocês que há algum tempo fiz um curso de Future Thinking. Dentre todos os cursos que já fiz, acho que este foi o que mais me fez pensar em… tudo. Mas agora quero compartilhar um exercício que fizemos focado no futuro do trabalho. Em outra oportunidade eu explico mais sobre o curso.

Como serão as empresas daqui 30 anos? Como serão os empregos? Como será a sua profissão daqui 50 anos? Tente montar (mentalmente ou no papel) este cenário. Não estou falando de mercado, pense além… Como será a sua estação de trabalho? Como irá se comunicar?

No meu cenário, montado durante a última aula, eu criei um perfil genérico. Homem (apesar do gênero não existir, mas isso é uma outra discussão), entre 25-30 anos, que trabalhava para duas empresas multinacionais (meio período para cada uma), ambas eram via home office, estava aprendendo seu terceiro idioma (ou quarto) e todas suas interações com seus dois gestores era via videoconferência, pois eles estavam em outros países. Cenário real? Futurista demais? Gostaria de ouvir a opinião de vocês.

Na minha opinião, já não faz mais sentido (para algumas profissões) aglomerar uma equipe enorme em um escritório caríssimo. O consumo de energia é enorme, o impacto ambiental do espaço também. A qualidade de vida é péssima (pegamos São Paulo como exemplo), uma grande porcentagem da população atravessa a cidade, pois muitos moram na zona Leste, mas as grandes empresas estão na zona Sul. Por que?! Qual o sentido lógico dessa matemática?

Fazendo uma conta de padaria… Se uma empresa com 100 funcionários não precisasse pagar vale-transporte (levando em conta que ela pague uma ida e uma volta por funcionário), seria uma economia de 15 mil reais por mês. Quase 185k reais por ano!

Além disso, no Brasil, temos a Lei Federal 8213/91, que obriga as empresas (com mais de 100 funcionários) a contratarem pessoas com deficiência física. Se você não tem que atravessar a cidade, a inclusão é muito maior. As possibilidades são infinitas, só precisamos desapegar dos velhos costumes.


Victor Vasques é designer, editor chefe do Com limão e sócio proprietário da Citrus Consultoria. Como gestor de marcas e criativo, já atuou com grandes marcas, como Discovery, UOL, iG, Globo.com e VEJA.

Eu irei lhe fazer uma proposta que você não poderá recusar - Don Vito


0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Voltar para o topo ↑

  • Newsletter

  • Últimos tweets

  • Facebook