vida-sem-pirataria-com-limao

Compartilhe:   

Pare de chorar pelo MegaFilmesHD: Dá para viver sem pirataria!

por Victor Vasques

Muito se tem falado sobre a prisão do casal, de acordo com a Polícia Federal, responsável pelo site Mega Filmes HD. Segundo a PF, eram mais de 150 mil arquivos, 60 milhões de visitas por mês e faturamento de R$ 70 mil, vinda de espaços publicitários no site.

Não quero ser pudico e nem vou mentir que nunca baixei um arquivo pirata, mas a vida sem pirataria é melhor. O mais importante, dá para viver sem ela.

Talvez alguns anos atrás, viver sem pirataria era o divisor entre estar atualizado ou não. Do crack para Photoshop ao filme que nunca chegou ao Brasil, a pirataria era muito mais que um inimigo, era um aliado da informação. No entanto, o jogo mudou.

Antes de tudo, quero dizer uma coisa. Pirataria é crime. É crime e ponto. Não adianta chorar e “xingar muito no Twitter” que o Mega Filmes foi fechado. Tanto é crime, que quem faz isso, sabe muito bem. Como eu disse, foi o tempo em que download pirata era um divisor de águas. Hoje é só uma vida fácil para quem distribuir este tipo de conteúdo.

Aliás, conheço a história de um youtuber famoso, que já foi dono de um site de downloads, mas vivia sob um pseudônimo e tinha medo (real) que a Polícia Federal estivesse monitorando suas atividades diariamente. Mas isso foi há muito tempo e a internet era diferente.


Pirataria: Lições e alternativas.

O que te faz baixar filmes e séries piratas? Posso estar errado, mas arrisco em dizer que os dois grandes motivos são timming (ou seja, tempo que demora para um filme, lançado no exterior, chegue ao país) e dinheiro (não ter dinheiro para pagar um pacote de televisão por assinatura mais incrementado, como HBO e Telecine).

Eu diria que estes são os dois principais motivos, sem cair na questão social. Afinal, estou falando do brasileiro médio, aquele que tem conexão razoável para baixar um filme em HD. Se você é este tipo de cara, aqui vão algumas dicas e lições:

#1 – Netflix: A mais óbvia. Assine uma conta do Netflix. Você consegue criar várias contas e cada pessoa da casa tem seu próprio “ambiente” na plataforma, com favoritos e tudo mais. A versão premium custa R$ 29,90.

#2 – Descubra o Youtube: Nem só de youtubers vive a maior plataforma de vídeo do planeta. Aqui vão cinco dicas de canais e conteúdos:

  • Costanza e Marilu: As amigas Costanza Pascolato (empresária e consultora de moda) e Marilu Beer (artista plástica) conversam sobre vários temas de maneira descontraída, sem perder a elegância. Para descontrair!
  • Casa do Saber: O renomado centro de debates e disseminação de conhecimento de São Paulo e Rio de Janeiro. Tem de tudo um pouco. Para pensar!
  • Em Busca da Verdade: Documentário vencedor do Prêmio Vladimir Herzog apresenta as principais investigações da Comissão Nacional e das Comissões Estaduais da Verdade sobre as graves violações de direitos humanos ocorridas na ditadura de 1964. Para estudar!
  • Kurzgesagt: Já indiquei este canal anteriormente, mas vale ressaltar. Um vídeo mensal (segundo o canal, qualidade é maior que quantidade) explicando profundamente e de forma divertida assuntos do cotidiano. Para usar na mesa do bar!
  • TED: Visita obrigatória no Youtube, mas que nem todo mundo conhece. Reúne pocket palestras das mentes mais brilhantes do mundo. Para inspirar!

#3 – Hollywood aprendeu: Atualmente, a maioria dos filmes (principalmente os blockbusters) tem lançamento mundial sincronizado. Em alguns casos, o público brasileiro recebe até com antecedência. Reúna os amigos e vá para o cinema!

#4 – Ignorância não é desculpa: De acordo com o advogado do casal Mega Filme, “o cliente dele contou que tinha o mesmo negócio no Japão, onde morou por cerca de nove anos, e trouxe o serviço ao Brasil. ‘Meu cliente chegou do Japão e lá essa prática é comum. Ele não imaginava que iria ser preso’, diz o advogado”. Tá bom, conta outra! Quer dizer que pirataria não é crime no Japão? Quer dizer que posso vender maconha, só porque é liberado em outros países?

#5 – Assinatura mensal para softwares: Agora falando sobre programas originais. Segundo o Pirate Bay, os dois principais programas mais pirateados são o Office e o Photoshop. Ok, ambos possuem assinatura mensal e o valor é bem pequeno. No caso do Office 365 Home, custa R$ 26 e dá para instalar em até 5 computadores. Já os programas Adobe, você confere preços e dicas no texto “Adobe CC, Slate, Comp, Voice e Portfolio: 5 dicas para designes”.

#6 – Suporte e vantagens do Office/Adobe original: Um grande detalhe nas assinaturas mensais da Microsoft e Adobe são os serviços em nuvem. Junto com os programas, as duas empresas liberam algumas vantagens que só os assinantes podem ter, por exemplo, a Microsoft libera um espaço no OneDrive. Já a Adobe, libera acesso ao Behance, Adobe Portfolio e mais uma infinidade de serviços online. Realmente vale a pena!

#7 – Música no celular: Você ainda baixa música para escutar no celular? Deixa eu te contar uma coisa, já chegamos no ano de 2015. Faz uma assinatura Família do Spotify (custa R$ 22,35/mês) e dá direito a duas contas independentes. Dá para assinar e dividir com a namorada ou irmão. O Spotify ainda permite que você escute músicas offline e no celular. Disponível apenas para os assinantes da conta premium. Fica a dica!

Viu como dá para viver sem pirataria? Se mesmo assim você achar que tudo isso é uma grande besteira, então não podemos te ajudar.


Victor Vasques é designer, editor chefe do Com limão e sócio proprietário da Citrus Consultoria. Como gestor de marcas e criativo, já atuou com grandes marcas, como Discovery, UOL, iG, Globo.com e VEJA.

Eu irei lhe fazer uma proposta que você não poderá recusar - Don Vito


1

One Response to Pare de chorar pelo MegaFilmesHD: Dá para viver sem pirataria!

  1. felipe says:

    oi gente
    gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>


Voltar para o topo ↑

  • Newsletter

  • Últimos tweets

  • Facebook